Ágora Tech Park – estivemos lá!

Situado na extremidade nordeste de uma área com grandes conglomerados e formando um amplo eco-sistema industrial, está uma área verde 2 edificável de 70.000,00m , pertencente ao Perini Business Park em Joinville/SC., onde será construído um parque tecnológico, concebido nos conceitos 2 de “Smart and Human Cities”, denominado Ágora Tech Park. Com uma área construída de 50.000,00m , o parque contempla espaços de convivência, estrutura viária e áreas verdes; com edifícios de usos diversos como: lojas, áreas de alimentação, mercadoteca, hospedagem (hostel/hotel), ensino e pesquisa, área administrativa, coworking entre outros.

área de descompressão

O plano de ocupação da área considerou a instalação de onze blocos de edifícios similares, com organização linear e centralizada, em um conjunto harmônico e interligado, sendo servido por áreas de estacionamento para autos e meios de transportes alternativos. As áreas externas serão compostas por arborização típica, com espaços para descanso, lazer e contemplação, além de cinco “mini ágoras”, que são espaços de encontros com arquibancadas, onde esculturas e obras de arte, serão locadas, promovendo cultura e exposições ao ar livre. Os vazios entre as edificações foram dispostos de forma a integrar o conjunto, compondo diferentes leiautes, enriquecendo o entorno do parque e tornando-o em uma única estrutura. Todos os edifícios se fazem do mesmo sistema construtivo, inclusive o emprego dos mesmos materiais, em tamanhos padronizados pela indústria, objetivando a redução de custos e prazos. A modulação estrutural foi projetada em construção pré-moldada, com o conceito “lean construction” (onde todo material é produzido no fabricante e, quando finalizado, transportado para o local da obra para montagem), possibilitando
uma construção limpa, veloz, com melhor custo/benefício e assertividade. A compartimentação interna será em “dry wall”, de instalação rápida, podendo ser formatada e/ou modificada conforme a necessidade de cada área de atividade, trazendo flexibilidade aos pavimentos. O fechamento externo em pele de vidro, do tipo “Reflecta Float”, com proteção UV, permite a redução da entrada de luz , promovendo maior conforto térmico e segurança visual nos ambientes internos.
Os edifícios serão abraçados por brises fixos, metálicos e pré-moldados, protegendo as edicações dos raios solares e trazendo uma identidade visual ao complexo. Os telhados receberão cobertura verde semi-extensiva para um melhor isolamento térmico e acústico , além de placas fotovoltaicas para produção de energia elétrica própria, com possibilidade de venda de eventual excedente; será instalado, complementarmente, recursos de aquecimento e serviço a gás para estações com pouca iluminação solar. Serão implementados recursos para reaproveitamento de água pluvial a serem aplicadas nas partes sanitárias e limpeza geral do complexo, possibilitando redução significativa de custo de água doce.
Os edifícios contam com sensores de coleta de dados e respectivos equipamentos para processamento “smart” de funções de controle, segurança, comunicação.

PRIMEIRO EDIFICIO
O primeiro edifício está situado na extremidade sul do terreno e parcialmente centralizado em relação ao complexo do Ágora Tech Park. Com
2 uma área construída de 4000,00m , é composto por salas multiuso, laboratórios multidisciplinares, incubadoras, coworking, Fab lab, auditórios, área de descompressão, alimentação, terraço verde e sala administrativa. Este edifício foi projetado conforme os demais do complexo, onde a modulação
estrutural juntamente com o fechamentos internos em ‘‘dray wall’’, geram a padronização do volume externo, porém com ambientes internos
flexíveis e diferentes uns dos outros, conforme seu uso.
Preparado para inaugurar o Ágora Teck Park, o prédio atende diferentes usos, gerando diversidade de empreedimentos, ampliandos as possibilidades de negócios, estimulando o relacionamento e promovendo novas oportunidades de inovar. Com preocupação no bem estar dos usuários, o tem a afinidade com as pessoas, oferecendo a elas espaços modernos e equipados para seu conforto e rendimento. A transição dos espaços e as áreas coletivas promovem encontros, aproximando os usuários e oferecendo a eles um lugar criativo e inspirador para trabalhar.

distribuição dos módulos do empreendimento

O estudo do edifício teve seu princípio num único bloco com altura de 15 metros, no formato de 24 metros de testada frontal e 51 metros de profundidade; com a subtração de alguns espaços, o volume começou a ter identidade, proporcionando um térreo livre com pilotis e pé-direiro duplo, formando um amplo ambiente, para a recepção de quem introduz no prédio. Com o térreo aberto, o local permite exposição de empresas parceiras, ou somente, um lugar de permanência, garantindo assim, um ambiente totalmente flexível. Os vazios do bloco forçam a ventilação cruzada em alguns ambientes e também, permiti a vista para um pátio central arborizado. O edifício procura integrar os espaços,para promover maior contato entre os usuário, sua organização linear e centralizada, favorece encontros e novas possibilidades. A modulação utiliza grandes vãos, concedendo um melhor aproveitamento interno e o uso de balanço nas lajes, provoca o deslocamento da estrutura, trazendo leveza ao monobloco. Apesar de estrutura pré-moldada, os elementos metálicos dos brises, transformam o edifício em uma obra plástica contemporânea, que conversa com o entorno.